ads

Slider[Style1]

Style2

publicidade

Style3[OneLeft]

Style3[OneRight]

publicidade

Style4



clica e ouve as entrevistas e emissões já realizadas na tua rádio 

Style5

No próximo programa AO ENCONTRO DA POESIA, Pedro Nobre vai estar à conversas com 2 poetisas ISABEL BASTOS NUNES e ADRIANA MAYRINCK. Quando forem 22h vamos ter participação habitual da poetisa FÁTIMA HORTA. Não pode perder na sua rádio de todos os dias!


 BIOGRAFIA de ISABEL BASTOS NUNES 

Natural em Lisboa, nasceu em 1948. Mãe de dois filhos e Avó. Estudou em Tomar, Coimbra, Lisboa e Angola (Luanda).

Grande parte do seu percurso profissional, esteve ligado à Imprensa escrita.

Tem publicado dois livros de Poesia:
  • "Poemas por acabar"- Editado por Pastelaria Studios
  • "À PROCURA DE MIM"- Produzido pela In-Finita. 
Prémios:
  • Premiada com o 3º lugar no 2º Festival de Poesia de Lisboa de 2017 com o Poema "E a fome dos homens transforma-se em perdição" - Colectânea “ A vida em Poesia” das Edições Helvetia. 
  • Premiada com a publicação de um livro (3 Poetas) Neste livro de poesia, sou coautora com mais dois Poetas. 
Participações em diversas Colectâneas
  • Mar de Palavras Orquidea Edições Sentimentos à solta II – Edição de autores. 
  • Nas Entrelinhas da Poesia (Eternamente) Edições o Declamador. 
  • Nas entrelinhas da Poesia (Delírios) – Edições o Declamador. 
  • Deixem-me ser Poesia – Pastelaria Studios. 
  • Fusão de Sentires – Pastelaria Studios 
  • Um livro num dia (contos) – Chiado Editora. 
  • Livro Aberto – Organização Ana Coelho e Paulo Maia Domingues. 
  • Na minha Cómoda – Papel d’Arroz Editora. 
  • Perdidamente II – Pastelaria Studios. 
  • Poesia a Cores – Pastelaria Studios.5 Sentidos – Edições o Declamador. 
  • Danados para Escrever – Edições o Declamador. 
  • Palavras de Cristal – da Editora Modocromia. 
  • 1º Concurso Literário - Edições Vieira da Silva. 
  • Vozes Impressas – edições Vieira da Silva. 
  • 4 Estações – Edições o Declamador 
  • Antologia “ Toca a escrever” – In-Finita. 
  • Conexões Atlânticas - In-Finita 
  • Livro Aberto 2018 – Ana Coelho (RVA – Alenquer) 
  • Palavras de Cristal Volume V – Modocromia 
  • Delírios- Nas Entrelinhas da Poesia 
  • Poem’Art – Amigos & Poetas 
  • Amantes da Poesia – Volume 3 – Parceria com Modocromia e Rádio PopularFM 
  • 5 Sentidos
  • Cascata de Emoções
Participações em inúmeras Tertúlias, entre as quais as organizadas pela In-Finita, no Palácio Baldaya em Lisboa, (o que acontece quinzenalmente) festivais, e leitora residente (com os meus Poemas) da Tertúlia América Miranda no Auditório Carlos Paredes em Lisboa. (o que acontece sempre no 1.º Sábado de cada mês)

 BIOGRAFIA DE ADRIANA MAYRINCK 

Adriana Mayrinck, produtora cultural e editorial, nasceu em 1970, em Recife. Morou 38 anos no Rio de Janeiro. 

Fundou a IN-FINITA em 2008 para assessoria literária, eventos e produção cultural. Desde 2010, fomenta e divulga a poesia, literatura e cultura lusófonas. Em 2017 mudou-se para Lisboa e a IN-FINITA virou uma prestadora de serviços para autores e editoras do Brasil e de Portugal. 

Representante da União Brasileira de Escritores (UBE-RECIFE) e do ELOS Clube (Teresópolis – Rio de Janeiro), em Lisboa. Tem um livro publicado em 2017. Participou em algumas antologias no Brasil, Portugal e Suíça e de oito edições do Fanzine Alfarrábios (Niterói – RJ). 

Como autora: Escrever é expressar o que está no lado de dentro, com todas as nuances, desejos e contradições do ser mulher, que transborda de encantos e desencantos o despertar das emoções. Em diversas fases uso como ferramenta o poema em prosa, com estilo literário que passeia por entre o romantismo e o lirismo. As experiências e percepções, no real e no imaginário, sempre na primeira ou terceira pessoa, definem esse exercício poético e criativo em versos livres. São passos para um caminho (in)certo, (i)material, que se revela a cada vivência, ou oculta-se no ir e vir por entrelinhas. Reflexos, sombras e luz, onde os elementos da natureza misturam-se por entre metáforas e figuras de imagem. Um olhar íntimo sobre o efêmero e a casualidade, de uma mulher errante que cria asas e voa por entre tempos, na busca incansável por abrigo, talvez, de si mesma, (in)finitamente.

Partilhe connosco o seu comentário! A sua opinião é importante para nós...

Partilhe com os seus amigos

«
Seguinte
Mensagem mais recente
»
Anterior
Mensagem antiga