ads

Slider[Style1]




clica e sabe mais 

Style2

Style3[OneLeft]

Style3[OneRight]




clica e ouve as entrevistas e emissões já realizadas na tua rádio 

Style4

Style5


No próximo programa AO ENCONTRO DA POESIA vamos ter na rubrica CONVERSAS POÉTICAS o poeta VITOR COSTEIRA que nos vem falar sobre percurso de vida, literária e conversar sobre o seu mais recente livro ASAS DE COLIBRI. Quando forem 21h45 vamos ter a rubrica "A PAR DA POESIA" com PAULO AFONSO RAMOS e quando forem 22h00 iremos ter a colaboradora e poetisa FÁTIMA HORTA com a rubrica "UM MOMENTO DE POESIA POPULAR.

 BIOGRAFIA 

VÍTOR COSTEIRA nasceu em 1956, em Lisboa e vive em Alhandra. 

Casado com dois filhos, escreve desde a adolescência, poesia e prosa poética, contos, pensamentos e crónicas.
O estilo literário tem variado, na medida em que a idade e a vida o têm alterado também. Teve diversas funções e profissões, ao longo deste tempo: marceneiro, litógrafo, profissional de um salão de chá, marinheiro, membro das forças especiais da Marinha – Fuzileiros Navais – educador e, agora, apesar de reformado, apoia alunos em campos como a matemática e a Língua Portuguesa. 

Publicou o seu PRIMEIRO LIVRO em Setembro de 2015, "SOU EU", um livro de poesia. 
Obteve o primeiro lugar num concurso a nível nacional, sob o tema "Uma semente diferente", dedicado a pessoas com deficiência mental e apoiado pela APPACDM (Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão com Deficiência Mental). Participou numa Coletânea poética, em 2017, "Deixa-me ser Poesia", publicada pela Pastelaria Studios. De momento, está inserido em outros dois projectos de colectâneas: “Amantes da Poesia” da Modocromia Editora e “Livro Aberto”. Participou no Festival 6 Continentes, evento internacional, Pinhal Novo, e coopera num programa de rádio, Amantes da Poesia, na estação de Rádio PopularFM, em 90.9MHz, ajudando a promover e divulgar a poesia lusófona. Foi convidado de honra de uma sessão de poesia semanal no espaço “Inda a noite é uma criança!”, em Lisboa. É co-administrador de um grupo de poesia no Facebook, Amantes da Poesia, onde também assina uma rubrica diária: “A poesia e os Poetas”, divulgando um poeta e a sua obra. É Homem, Pai, Esposo, Cidadão atento e ativo, Amigo do seu Amigo... enfim, um ser comum.

 QUE OUTRO NOME PODERIAS TU TER, SE NÃO MEU AMOR? 
[Poema Vencedor do XX Concurso de Poesia da APPACDM de Setúbal]

E aqui estás tu, Meu Amor, 
minha estrela de um brilho maior,
minha felicidade infinita
acima de qualquer sonho pré-desenhado,
alegria pura e, por isso mesmo, tão bonita,
sangue do meu sangue impregnado…
Aqui estás tu a meu lado!

Nada sabes sobre etiologia,
genopatias, cromossopatias,
fetopatias, embriopatias,
metabolopatias, hipoxias ou anoxias,
incompatibilidade, prematuridade,
deficiências, inclusão ou sociedade!
Não te preocupas com quocientes de inteligência,
nem com a razão entre a idade mental 
e a idade cronológica
e, muito provavelmente, rirás ou não
quando eu te falar em Síndrome de Down
ou em outras palavras que eu também não sabia
que teria que saber um dia…

E derramas as mesmas lágrimas
que de mim jorram como lava das crateras da alma,
num tão nosso mais que sentir,
feito de algo indizível, tão profundo e indolor
e ainda sem outro nome para o definir
para além da palavra Amor!
Sim! Eu sei que é a mesma água
que, escorrendo de ti, me queima os lábios,
cálidas, salgadas, líquidas e cristalinas,
pois és tu a nascente de quem eu sou foz,
és tu a minha vida e sou eu a tua voz,
e eu recolho as tuas lágrimas como minhas,
sabendo que são minhas e tuas!

E, depois, ris feliz em gargalhadas sem freio,
sem peias nem códigos para decifrar ou esconder,
indiferente ao que é considerado bonito ou feio
e declaras-te rei de um reino com tanto para se saber,
liberto no teu voar, ser apenas por ser,
sem nunca se interromper, sem nunca se  interrogar!
E eu que tenho tanto para contigo aprender!
És uma semente tão diferente, meu Amor!

E tu que, na pureza de gestos não estudados,
na entrega de únicos momentos,
candidamente por ti embelezados,
desconheces que, puro, me estás a ensinar!
E, assim, és tu que me doas tanto,
és tu que me doas tudo, Meu Amor!
Que me dás muito, mas muito, mais
do que eu alguma vez te saberei dar!
Sabes? Tu serias sempre alguém muito especial
junto de quem, por ti, ansioso esperava
mas tu ofereceste-te ainda muito mais!
Ofereceste uma vida inteira chamada desafio
e transformas, assim, todos os que te rodeiam
em seres também muito mais especiais
do que qualquer outra forma de ser,
jamais pensada na vidinha comum de cada um,
tendo ou não já ouvido falar em Trissomia 21!
Tantos sonhos que, para ti, foram inventados!
Tantos planos no Paraíso onde serias e foste recebido
mas afinal foste uma dádiva em tudo maior
para o qual nenhum de nós estava preparado,
para o qual nenhum de nós tinha lido um guião,
um manual de instruções ou ouvido conselhos
de doutos sábios, peritos, novos ou velhos,
para além da imensa felicidade alimentada no coração,
entre o sangue latejante que livremente vai e vem
e as forças sadias e poderosas que jamais irão!

E, afinal, no essencial que sabemos ser a vida,
quase nada temos, entre nós, de diferente…
queres ser e estar como toda a gente!
Queres estar e ser uma estrada aberta e florida
para ser percorrida como um qualquer petiz!
Ser uma ansiada descoberta e o seu descobridor!
Seres mãos, terra, água, raiz e flor!
É deste modo que queres viver e ser feliz!
É neste respirar que queres amar e ser amado,
tal e qual como sempre todos te sonhámos,
exactamente como és, lindo sonho não anunciado!

Podemos ser atraídos para ti pelas semelhanças
mas são as diferenças que nos aproximam e fortalecem!
A cada Sol que nasce, todos acordamos crianças,
em cada Lua que nasce, todos os sonhos em ti adormecem
e, assim, oferendas um repto todos os dias,
um menino, um amigo e um amor maior
nas surpresas, nos tempos presentes e nas alegrias,
como rio a cavalgar no nosso sempre atento olhar
que descobre em ti algo diferente em cada segundo,
de instante a instante e de alvor a  alvor!

Que amor poderá haver maior neste mundo?!
Que outro nome poderias tu ter se não Meu Amor?


Título: Asas de Colibri
Autor: Vítor Costeira
Chancela: Andorinha Editorial
Género: Poesia
Ano: 2017
ISBN: 978-989-8844-24-8
Formato: 15 x 20 cm

Páginas: 42 
P.V.P.: 10,00 €


Partilhe connosco o seu comentário! A sua opinião é importante para nós...

Partilhe com os seus amigos

«
Seguinte
Mensagem mais recente
»
Anterior
Mensagem antiga